Nova pesquisa sugere que o consumo diário de bebidas açucaradas aumenta o risco de câncer em até 18%. Uma nova pesquisa é um banho de água fria para aqueles que amam uma bebida bem doce. Um novo estudo publicado nesta semana no jornal científico BMJ relacionou o consumo de refrigerantes, sucos artificiais e até sucos naturais ao aumento do risco de desenvolver câncer, sobretudo o de mama.  Segundo o estudo, beber um copo de 100 ml destas bebidas
Iniciativa é do curso de fisioterapia da Unifap. Interessadas podem procurar o Laboratório de Hidroterapia da instituição. Exercícios supervisionados após a cirurgia do câncer de mama, principalmente em casos de cirurgia de remoção completa da mama, são aliados na reabilitação da mulher. Pensando nisso, o curso de fisioterapia da Universidade Federal do Amapá(Unifap) divulgou a oferta de tratamento gratuito. Qualquer pessoa pode buscar pelo auxílio. A iniciativa faz parte de um projeto de pesquisa do curso
Chélida e Humberto se conheceram dentro de um carro. O motorista de aplicativo atendeu uma corrida para levar a moça e a família dela a um casamento. A partir de então, eles se aproximaram cada vez mais através de conversas por mensagens e Humberto passou a levá-la nas consultas e tratamentos contra o câncer de mama. Assista o conteúdo na íntegra: Fonte

Anvisa aprova novo tratamento para câncer de pulmão

Posted by Redação on 11 de junho de 2019

0
Category: Saúde
A nova terapia é direcionada a um subtipo agressivo do câncer de pulmão. A aprovação é primeiro avanço em 30 anos no tratamento inicial desse tipo de tumor A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou recentemente um novo tratamento para pacientes com um tipo específico de câncer de pulmão. A aprovação é primeiro avanço em 30 anos no tratamento inicial desse subtipo conhecido como câncer de pulmão de pequenas células, que é extremamente agressivo. Um
Há quatro anos, Livia Schiavinato Eberlin, formada em química pela Unicamp, se dedica ao desenvolvimento do dispositivo na Universidade do Texas. O dispositivo é capaz de extrair moléculas de tecido e apontar a presença de células com tumores no material analisado (Youtube/CPRITTexas/Reprodução São Paulo — Uma cientista brasileira de 33 anos desenvolveu uma espécie de caneta capaz de detectar células tumorais em poucos segundos. Livia Schiavinato Eberlin é formada em Química pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)