Insuficiência renal aguda e crônica: sintoma, estágios, dieta

INTRODUÇÃO

Os rins são órgãos fundamentais para a vida, pois são responsáveis ​​por inúmeras funções:

  • LIMPAR O SANGUE
  • REGULAR A QUANTIDADE DE LÍQUIDOS NO CORPO
  • ELES PRODUZEM HORMÔNIOS QUE PODEM AFETAR A SAÚDE DOS OSSOS E DO SANGUE

Infelizmente, são órgãos vulneráveis ​​a inúmeras patologias, algumas das quais são perigosas para a sobrevivência e outras que podem levar à disfunção completa, como a necessidade de diálise para evitar desfechos fatais.

  1. A insuficiência renal aguda é definida como uma doença caracterizada por uma rápida diminuição da função renal.
  2. Por outro lado , a insuficiência renal crônica é definida como a síndrome caracterizada pelo declínio lento e progressivo da função renal, independentemente da causa.

Os 10 sinais e sintomas que a National Kidney Foundation aponta como sinais de alerta de possível doença renal são:

  1. Cansaço , diminuição da energia para enfrentar o dia e dificuldade de concentração.
  2. Distúrbios do sono .
  3. Pele seca e com coceira .
  4. Necessidade de urinar com mais frequência .
  5. Presença de sangue na urina .
  6. Espuma na urina.
  7. Inchaço ao redor dos olhos .
  8. Retenção de água e acúmulo de líquidos nos pés e tornozelos.
  9. Diminuição do apetite .
  10. Cãibras musculares .

Obviamente, cada um desses sinais pode ter inúmeras outras explicações, mas no caso de mais de um aparecer e/ou persistir, é recomendável comunicá-lo ao seu médico. Quer saber mais sobre ? Acesse https://nefromed.com.br/

Rins

Os rins são 2 órgãos em forma de feijão localizados na parte inferior das costas, nas laterais da coluna vertebral; o tamanho é de aproximadamente 13 cm de comprimento, 8 cm de largura e 3 cm de profundidade e normalmente o rim esquerdo é um pouco mais longo que o direito.

Todos os dias filtram cerca de 110-140 litros de sangue para produzir cerca de 1-2 litros de urina, um líquido residual composto por substâncias a serem eliminadas e líquidos em quantidades pelo menos suficientes para dissolvê-las. A urina flui dos rins para a bexiga através de dois tubos musculares finos chamados ureteres, um de cada lado da bexiga, que atua como reservatório de urina.

Os músculos da parede da bexiga relaxam à medida que a bexiga se enche e, à medida que a quantidade se aproxima do fluxo máximo, são enviados sinais ao cérebro que provocam a sensação clássica de necessidade de urinar.

Quando a bexiga esvazia, a urina é eliminada através de um tubo chamado uretra, localizado na parte inferior da bexiga. nos homens a uretra é relativamente longa, enquanto nas mulheres é muito mais curta.

Além de gerenciar a eliminação de substâncias residuais e excesso de líquidos, os rins também realizam outras tarefas igualmente importantes:

MANTER OS NÍVEIS DE ELETRÓLITOS (SÓDIO, POTÁSSIO , FOSFATO) ESTÁVEIS

PRODUZIR HORMÔNIOS CAPAZES DE:

  • REGULAR OS VALORES DA PRESSÃO CORPORAL
  • ESTIMULAR A SÍNTESE DE GLÓBULOS VERMELHOS
  • TORNAR OS OSSOS FORTES E RESISTENTES

Os danos que afetam apenas um rim geralmente não são grandes, pois o outro pode compensar suficientemente, mas se ambos os rins estiverem gravemente danificados, a diálise é essencial para evitar complicações fatais.

CAUSAS

Insuficiência renal aguda

Existem inúmeras causas possíveis de insuficiência renal aguda, mas elas tendem a ser divididas de acordo com a localização e a natureza do problema:

DIMINUIÇÃO DO FLUXO SANGUÍNEO, DEVIDO, POR EXEMPLO:

  • PRESSÃO ARTERIAL BAIXA OU CHOQUE
  • DESIDRATAÇÃO GRAVE CAUSADA POR VÔMITO OU DIARRÉIA
  • SANGRAMENTO INTENSO
  • INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA
  • REAÇÕES ALÉRGICAS GRAVES
  • QUEIMADURAS
  • ACIDENTES E CIRURGIAS DE GRANDE PORTE

DISTÚRBIOS CARDÍACOS QUE IMPEDEM O FORNECIMENTO NORMAL DE SANGUE:

  • INSUFICIÊNCIA CARDÍACA
  • ATAQUE CARDÍACO
  • DANOS NOS RINS
  • SEPSE
  • MIELOMA MÚLTIPLO
  • VASCULITE
  • GLOMERULONEFRITE
  • OBSTRUÇÃO DO TRATO URINÁRIO
  • TUMORES ( BEXIGA , PRÓSTATA…)
  • HIPERTROFIA BENIGNA DA PRÓSTATA
  • PEDRAS NOS RINS
  • ABUSO DE ANTI -INFLAMATÓRIOS

Insuficiência renal crônica

A insuficiência renal crônica é geralmente o resultado de uma doença a montante que pode progressivamente causar danos irreparáveis ​​aos rins ao longo do tempo; estima-se que cerca de 10% da população mundial seja acometida por um problema de insuficiência renal crônica, que na maioria dos casos é desconhecido pelo paciente.

A hipertensão arterial e o diabetes são as duas doenças que mais comumente (dois em cada três pacientes) explicam esse dano renal grave, devido às complicações causadas na microcirculação.

Outras causas potenciais incluem:

  • COLESTEROL ALTO
  • INFECÇÕES RENAIS
  • INFLAMAÇÃO GRAVE, COMO GLOMERULONEFRITE
  • RIM POLICÍSTICO
  • EPISÓDIOS REPETIDOS DE BLOQUEIO URINÁRIO (POR EXEMPLO, DEVIDO A PROBLEMAS DE PRÓSTATA OU PEDRAS NOS RINS)
  • LÚPUS E OUTRAS DOENÇAS AUTOIMUNES
  • ABUSO DE ANTI-INFLAMATÓRIOS

A condição está aumentando constantemente, tanto que alguns sistemas de saúde começam a falar em epidemia; na base deste fenômeno encontramos vários fatores:

  • ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO,
  • DIFUSÃO DE CONDIÇÕES CLÍNICAS PREDISPONENTES (AS LISTADAS ACIMA),
  • AUMENTO DA SOBREVIDA DO PACIENTE.

ESTÁDIOS

A doença renal crônica é definida como “uma condição de função renal prejudicada que persiste por mais de 3 meses” e é classificada em 5 estágios de gravidade crescente; a definição e o estadiamento foram originalmente propostos pela American National Kidney Foundation em 2002 e posteriormente modificados em 2004 e baseiam-se basicamente na avaliação da taxa de filtração glomerular , uma estimativa da quantidade de sangue que é filtrada pelos glomérulos renais por minuto. Quanto maior o valor, melhor a saúde dos rins.

  • ESTÁGIO 1 : SINAIS DE LESÃO RENAL COM FUNÇÃO NORMAL OU AUMENTADA (TFG> 90 ML/MIN)
  • ESTÁGIO 2 : SINAIS DE DANO RENAL E COMPROMETIMENTO FUNCIONAL LEVE (TFG ENTRE 60 E 89 ML/MIN)
  • ESTÁGIO 3 : COMPROMETIMENTO FUNCIONAL MODERADO (TFG ENTRE 59 E 30 ML/MIN)
  • ESTÁGIO 4 : COMPROMETIMENTO FUNCIONAL GRAVE (TFG ENTRE 29 E 15 ML/MIN)
  • ESTÁGIO 5 : INSUFICIÊNCIA RENAL EM ESTÁGIO FINAL (TFG <15 ML/MIN OU PACIENTE EM TERAPIA DE DIÁLISE DE SUBSTITUIÇÃO)

Observe que a atribuição a um estágio é baseada em dois fatores:

  • LESÃO RENAL DIAGNOSTICADA ATRAVÉS DE EXAMES LABORATORIAIS E INSTRUMENTAIS
  • REDUÇÃO DA FUNÇÃO RENAL, ENTENDIDA COMO TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR (VFG OU TFG)

Dado seu início lento e gradual e o surgimento progressivo de mecanismos de adaptação, a insuficiência renal crônica pode permanecer silenciosa por muito tempo; o estágio 3 tende a ser aquele em que há uma tendência mais acentuada de progressão. Examinemos agora os diferentes estágios da doença.

Estágio 1

No estágio 1 há lesão renal leve e normalmente não há sintomas; A eGFR geralmente ainda é normal e o diagnóstico é baseado em outros achados (proteína na urina ou dano físico nos rins, por exemplo).

nesta fase o objetivo é essencialmente prevenir o agravamento da lesão renal e também é possível através de uma melhoria do estilo de vida:

  • CONTROLE IDEAL DA GLICOSE NO SANGUE EM CASO DE DIABETES
  • MANTER A PRESSÃO ARTERIAL DENTRO DE UMA FAIXA NORMAL
  • DIETA SAUDÁVEL
  • EVITE FUMAR
  • ATIVIDADE FÍSICA
  • RECUPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO PESO IDEAL

O médico assistente avaliará a necessidade de medicação e pode ser hora de encontrar um nefrologista de confiança.

Estágio 2

Na fase 2 há uma leve lesão renal e ainda sem sintomas; torna-se imperativo fazer todo o possível para evitar que os danos nos rins se agravem.

Uma eGFR entre 60 e 89 significa que os rins ainda estão funcionando bem e são capazes de compensar efetivamente os danos presentes.

Fonte de Reprodução: Getty Imagem

Estágio 3

Os rins não estão mais funcionando de forma ideal e muitos pacientes começam a apresentar sintomas como:

  • INCHAÇO NAS MÃOS E PÉS
  • DOR NAS COSTAS
  • URINAR MAIS OU MENOS DO QUE O NORMAL

Aumenta a probabilidade de começar a notar complicações devido ao acúmulo de resíduos, que não são mais descartados adequadamente; por exemplo, hipertensão, anemia e distúrbios ósseos podem aparecer.

Estágio 4

O estágio 4 da insuficiência renal é indicativo de uma deterioração acentuada da função renal; torna-se mais comum ter sintomas e complicações descritas para o estágio 3.

Nesta fase torna-se ainda mais importante colaborar estreitamente com o nefrologista e o nutricionista, também para se preparar para a necessidade de diálise e/ou transplante.

Estágio 5

Os rins estão perto da incapacidade completa de funcionar, ou na verdade já pararam; os sintomas são graves e o estado de saúde do paciente pode se deteriorar drasticamente devido ao aparecimento de:

  • COCEIRA,
  • CÃIBRAS MUSCULARES
  • NÁUSEA E VÔMITO
  • FALTA DE APETITE
  • INCHAÇO
  • DOR NAS COSTAS
  • ALTERAÇÕES NA QUANTIDADE DE URINA PRODUZIDA,
  • DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS
  • DISTÚRBIOS DO SONO

Para sobreviver, você precisa iniciar diálise ou fazer um transplante de rim.

SINTOMAS

Forma aguda

Em caso de insuficiência renal aguda, muitas vezes não aparecem sintomas, exceto em alguns pacientes uma redução na produção de urina; depois podem se manifestar:

  • INCHAÇO (PERNAS , MÃOS, PÉS, TORNOZELOS, OLHOS…),
  • CANSAÇO
  • FALTA DE AR
  • DESIDRATAÇÃO
  • ALTA PRESSÃO
  • CONFUSÃO
  • DOR ABDOMINAL E/OU DOR NAS COSTAS
  • NÁUSEAS E VÔMITOS

Em casos graves, o paciente pode desenvolver convulsões e eventualmente coma.

Forma crônica

Muitas pessoas com insuficiência renal crônica não apresentam sintomas até os estágios mais avançados da doença, pois o corpo é capaz de compensar as dificuldades que surgiram gradativamente por muito tempo. Esse é um dos principais desafios da medicina, pois quanto mais o diagnóstico for atrasado, mais dificuldades o paciente encontrará na fase do tratamento. O Blog Nefromed detalha outras coisas importantes sobre a insuficiência renal, veja a seguir https://nefromed.com.br/

Nos estágios mais avançados, no entanto, aparecem os seguintes sintomas:

  • DIMINUIÇÃO DO APETITE E PERDA DE PESO
  • INCHAÇO DOS TORNOZELOS, PÉS E MÃOS
  • INCHAÇO AO REDOR DOS OLHOS , ESPECIALMENTE AO ACORDAR
  • FALTA DE AR
  • CANSAÇO E ENERGIA REDUZIDA
  • SANGUE NA URINA
  • AUMENTO DA NECESSIDADE DE URINAR, ESPECIALMENTE À NOITE
  • INSÔNIA E OUTROS DISTÚRBIOS DO SONO
  • PELE COM COCEIRA E SECA
  • CÃIBRAS MUSCULARES (ESPECIALMENTE À NOITE),
  • SENSAÇÃO GERAL DE MAL-ESTAR
  • DOR DE CABEÇA

TRATAMENTO

O tratamento da insuficiência renal aguda normalmente requer cuidados hospitalares constantes; é necessário antes de tudo identificar e resolver a causa desencadeante, por exemplo:

  • INTERROMPER O USO DE MEDICAMENTOS RESPONSÁVEIS ​​​​PELA INSUFICIÊNCIA RENAL,
  • INTERVIR NA DESIDRATAÇÃO, SE PRESENTE,
  • TRATAR QUALQUER INFECÇÃO,
  • RESOLVER QUAISQUER BLOQUEIOS URINÁRIOS.

Em alguns casos, pode ser necessário fazer diálise por algum tempo, processo que substitui a função renal.

Para pacientes agudos, a diálise é temporária e pode ser interrompida assim que os rins voltarem a funcionar, mas para a maioria dos pacientes com insuficiência crônica grave é um tratamento para toda a vida.

No caso de pacientes com insuficiência renal crônica, por definição uma condição incurável, o tratamento inclui:

  • UMA VERIFICAÇÃO CUIDADOSA DO ESTILO DE VIDA,
  • PARAR DE FUMAR
  • REDUZIR OU PARAR DE BEBER ÁLCOOL

Seguir uma alimentação saudável e variada, possivelmente reduzindo o consumo de:

  • SAL (OU MAIS PRECISAMENTE SÓDIO)
  • POTÁSSIO
  • PROTEÍNAS
  • PRATICAR REGULARMENTE ATIVIDADE FÍSICA
  • PERDER PESO SE NECESSÁRIO
  • A GESTÃO DE QUAISQUER OUTRAS CONDIÇÕES MÉDICAS, EM PARTICULAR CARDIOVASCULARES (PRESSÃO ALTA, COLESTEROL ALTO, DIABETES, DOENÇAS CARDÍACAS, …)
  • DIÁLISE,
  • TRANSPLANTE DE RIM

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Insufici%C3%AAncia_renal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.