Descoberta protege o folículo piloso do couro cabeludo em tratamentos contra o câncer.

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Manchester, no Reino Unido, descobriu uma maneira de proteger o folículo piloso da quimioterapia, em um esforço para evitar a queda de cabelo como resultado de tratamentos contra o câncer.

A novidade foi publicada no prestigiado periódico científico EMBO Molecular Medicine.

O professor Ralf Paus, do Centro de Pesquisa Dermatológica da instituição, explora em seu laboratório as propriedades de uma classe mais nova de medicamentos chamada inibidores de CDK4 / 6, que bloqueiam a divisão celular e já é aprovada clinicamente nas chamadas terapias contra o câncer “direcionadas”.

“Embora a princípio isso pareça contra-intuitivo, descobrimos que os inibidores da CDK4 / 6 podem ser usados temporariamente para interromper a divisão celular sem promover efeitos tóxicos adicionais no folículo piloso”, explica o médico oncologista Talveen Purba, principal autor do estudo.

Cientistas medicamento evita perda cabelo sessões quimioterapia

“Quando banhamos os folículos capilares do couro cabeludo humano cultivados em órgãos com inibidores da CDK4 / 6, os folículos capilares ficaram menos suscetíveis aos efeitos prejudiciais da quimioterapia”, diz.

Medicamentos utilizados na quimioterapia

Entre as sessões de quimioterapia, são utilizados medicamentos para tratar carcinoma de mama ou pulmão, que causam bastante ansiedade e apreensão entre os pacientes com câncer devido à perda de cabelo.

Os pesquisadores esperam que seu trabalho ajude a desenvolver medicamentos que retardem a perda de cabelos a curto e longo prazos.

“Apesar do fato de serem usados há décadas e há muito tempo causam queda de cabelo, só agora estamos medindo a extensão de como eles danificam o folículo piloso humano”, disse Purba.

“Precisamos de tempo para desenvolver ainda mais abordagens como essa para não apenas prevenir a perda de cabelo, mas promover a regeneração folicular em pacientes que já perderam o cabelo devido à quimioterapia”, concluiu.

Fonte